A importância do estímulo à certificação de produtos orgânicos

Kamila de Oliveira do Nascimento, Elisabete Coentrão Marques, Stella Regina Reis da Costa, Cristina Yoshie Takeiti, Maria Ivone Martins Jacintho Barbosa

Resumo


A procura por parte dos consumidores por produtos mais saudáveis, com menos resíduos químicos e com certificados de procedência faz da agricultura orgânica uma opção muito viável. Embora o mercado de produtos orgânicos ainda seja pequeno, se comparado ao mercado de alimentos convencionais, observa-se crescente demanda mundial por esta categoria de alimentos. Sendo assim, explicitar a importância da certificação de produtos orgânicos no Brasil em tempos de globalização se faz extremamente relevante, pois o consumo deste seguimento está cada vez mais em ascensão. A certificação é a garantia da procedência e da qualidade orgânica de um alimento natural ou processado. O agricultor ganha um diferencial de mercado ao oferecer produtos de melhor qualidade e mais valorizados, estabelecendo uma relação de confiança com o consumidor. Já o consumidor tem a garantia de um alimento sem contaminação química, cuja produção respeita o meio ambiente e o trabalhador. Além disso, o selo de certificação de um alimento orgânico fornece ao consumidor mais do que a garantia de estar levando para a casa um produto isento de contaminação química. Concluiu-se que a certificação orgânica é um fator importante e decisivo para conquistar maior credibilidade dos consumidores, além de conferir maior transparência às práticas e aos princípios utilizados na produção orgânica.


Palavras-chave


alimentos orgânicos - agricultura orgânica - mercado

Texto completo:

PDF

Referências


ABDEL-AAL, E.S.M.; RABALSKI, I. Effect of baking on nutritional properties of starch in organic spelt whole grain products. Food Chemistry, v.111, p.150–156, may, 2008.

BYÉ, P.; SCHMIDT, W. Agricultura familiar no Sul do Brasil – de uma exclusão produtivista a uma exclusão certificada? Estudos Sociedade e Agricultura, v.17, p.104-118, out. 2001.

BRASIL. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Mecanismos de Controle da Qualidade Orgânica. Disponível em: . Acesso em:14 nov. 2011.

BRASIL. País alcança valor recorde de exportações do agronegócio. Portal do Agronegócio. Disponível em: . Acesso em: 9 nov. 2011.

BRASIL. Lei nº 10.831, de 23 de dezembro de 2003. Dispõe sobre a agricultura orgânica e dá outras providências. Diário Oficial da União, de 24 de dezembro de 2003, Seção 1, Página 8.

BRASIL. Ministério da Agricultura e do Abastecimento. Instrução normativa nº 7, de 17 de maio de 1999. Dispõe sobre normas para a produção de produtos orgânicos vegetais e animais. Diário Oficial da União, de 19 de maio de 1999, Seção 1, Página 11-14.

BRASILBIO. Associação Brasileira de Orgânicos. Disponível em: . Acesso em: 01 jun. 2011.

CABRAL, L. M. C.; DA MATTA, V. M.; PENHA, E. M.; DELLA MODESTA, R. C.; SILVA, T. T. da. Processamento de suco de maracujá orgânico por microfiltração. Comunicado Técnico. Rio de Janeiro: EMBRAPA, 2004.

CAMPANHOLA, C.; VALARINI, P.J. A agricultura orgânica e seu potencial para o pequeno agricultor. Cadernos de Ciência & Tecnologia. v.18, n.3, p.69-101, set./dez. 2001.

CASTRO, Fernanda Travassos de. Comércio de frutas e hortaliças em prol da segurança do alimento em comunidades da zona oeste do Rio de Janeiro (RJ). 2011. 125p. Tese (Doutorado em Ciência e Tecnologia de Alimentos)- Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro, Seropédica, 2011.

DANGOUR, A.D., et al. Nutritional quality of organic foods: a systematic review. The Americn Journal Clinical Nutrition, v.90, p.680–685, 2009.

DETONI, A.M.; CLEMENTE, E.; BRAGA, G.C.; et. al. Uva "niágara rosada" cultivada no sistema orgânico e armazenada em diferentes temperaturas. Revista Ciência e Tecnologia de Alimentos. v.25, n.3, p.546-552, jul./set. 2005.

EHLERS, E. Agricultura sustentável: origens e perspectivas de um novo paradigma. São Paulo: Livro da Terra, 1996.

FAO. Inocuidad y calidade de los alimentos em relación com la agricultura orgânico. Rome: FAO, 2000.

FERRAZ, J.M.G; PRADA, LS; PAIXÃO, M. Certificação soció-ambiental do setor sucro-alcooleiro. São Paulo: EMBRAPA Meio Ambiente, 2000.

FERREIRA, S. M. R.; FREITAS, R. J. S.; LAZZARI, E.N.; et. al. A. Perfil sensorial do tomate de mesa (Lycopersicon esculentum Mill.) orgânico. Visão Acadêmica, v.5, n.1, p.19-26, jan./jun., 2004.

FONSECA, M. F.A.C. A institucionalização dos mercados de orgânicos no mundo e no Brasil: uma interpretação. 2005. Tese (Doutorado em Desenvolvimento, Agricultura e Sociedade)- Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2005.

FONSECA, M. F. Certificação de sistemas de produção e processamento de produtos orgânicos de origem animal: história e perspectivas. Cadernos de Ciência & Tecnologia. v.19, n.2, p.267-297, maio/ago. 2002.

FONTANÉTTI, A.; CARVALHO, G.J.; GOMES, L.A.A.; et. al. Adubação verde na produção orgânica de alface americana e repolho. Horticultura Brasileira, v.24 n.2, apr./jun., 2006.

GRACIA, A.; MAGISTRIS, T. The demand for organic foods in South of Italy: a discrete choice model. Food Policy, v.3, n.5, p.386-396, oct., 2008.

GEIR, B. A Short Overview and Facts on Worldwide Organic Agriculture, in International Federation of Organic Agriculture Moviments – IFOAM, 2000. Disponível em: . Acesso em: 14 abr. 2011.

IAF. International Accreditation Forum, Inc. Diretriz IAF sobre a Aplicação do Guia ISO/IEC 65:1996. Requisitos gerais para organismos que operam sistemas de certificação de produtos. 2ª edição (IAF GD 5:2006).

IBD. INSTITUTO BIODINÂMICO DE DESENVOLVIMENTO RURAL – Diretrizes Para o Padrão de Qualidade Orgânico. 8ed. 1999.

IFOAM. International Organic Accreditation Service. IOAS the global organic guarantee. List of IFOAM Accredited Certification Bodies, p.1-12, may 23, 2011.

MEDAETS, J.P.P. A construção da qualidade na produção agrícola familiar: sistemas de certificação de produtos orgânicos. 2003. 213 p. Tese (Doutorado em Gestão e Política Ambiental)– Universidade de Brasília, Brasília, 2003.

NOVA ESCOLA. Disponível em: < http://revistaescola.abril.com.br/ensino-medio/alimentos-organicos-saude-ambiente-viabilidade-economica-610185.shtml?page=all>. Acesso em: 25 nov. 2011.

ORGANICSBRASIL. Os orgânicos conquistam consumidores e ganham força nas prateleiras do mundo. Disponível em: . Acesso em: 10 jun. 2011.

ORGANICSNET. Certificadoras. Disponível em: . Acesso em: 04 jun. 2011.

ORMOND, J.G.P.; PAULA, S.R.L. de; FAVERET FILHO, P.; et. al.. Agricultura: quando o passado é futuro. BNDES Setorial. n.15, p.3-34, 2002a.

ORMOND, J.G.P.; PAULA, S.R.L.; FAVERET FILHO, P.; et. al. Agricultura orgânica: quando o passado é futuro. BNDES Setorial, Rio de Janeiro, n. 15, p. 3-34, mar. 2002b.

PASCHOAL, A.D. Produção orgânica de alimentos: agricultura sustentável para os séculos XX e XXI. Piracicaba: EDUSP, 1994.

PENTEADO, S.R. Introdução à agricultura orgânica. Campinas: Grafimagem, 2000.

PERI, C. The universe of food quality. Food Quality and Preference.2005.

PEÑA, R.P. Rendimento, qualidade e conservação pós-colheita de cenoura (Daucus Carola L.) sob adubações mineral, orgânica e biodinâmica. 1996. 93p. Dissertação (Mestrado)– Universidade Estadual Paulista, Botucatu, 1996.

RADOMSKY, G.F.W. Práticas de certificação participativa na agricultura ecológica: rede, selos e processos de inovação. Revista IDeAS. v.3, n.1, p.133-164, jan./jun. 2009.

ROITNER-SCHOBESBERGER, B. Consumer perceptions of organic foods in Bangkok, Thailand. Food Policy. v.33, n.2, p. 112-121, apr. 2008.

SEBRAE. Conhecer SEBRAE agronegócios: A qualificação dos orgânicos. n.2, outubro 2008. Disponível em:

SEBRAE. Disponível em: . Acesso em: 01 jun. 2011.

SILVA, A. F.; MININ, V.P.R.; RIBEIRO, M.M. Análise sensorial de diferentes marcas comerciais de café (Coffea arabica L.) orgânico. Ciência e Agrotecnologia, v.29, n.6, p.1224-1230, 2005.

SMITH, B.L. Organics foods VS. supermarket foods: element levels. Journal of Applied Nutrition, v.45, n.1, p.35-39, 1993.

TORRES, L. B.V.; SILVA, S.M; GARRUTI, D. S.; et. al. Aceitação sensorial de manga Tommy Atkinsí produzidas através dos sistemas orgânico e integrado. In: Anais do XII Congresso Brasileiro de Fisiologia Vegetal, Fortaleza/CE. 2009.

ZYLBERSZTAJN, D.; ECARE, R.E. Gestão da Qualidade. Nos Agronegócios. São. Paulo: Atlas, 2003.

WACHSNER, S. Produtos orgânicos: que negócio é esse? Revista A Lavoura. Rio de Janeiro, p. 22-23. mar. 2005.

YUSSEFI, M.; WILLER, H. The World of Organic Agriculture: Statistics and Future Prospects 2003. Tholey-Theley: International Federation of Organic Agriculture Movements, 2003.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.